Neuromancer x Blade Runner – A determinação de William Gibson me motiva

Neuromancer_(Book)Blade_Runner_poster

Estou lendo a Trilogia Sprawl, de William Gibson, e escrevi meu último post sobre a leitura de Count Zero, o segundo livro da série.

Para escrever esse post, eu consultei algumas informações sobre o autor e sua obra. E uma informação me chamou a atenção.

Em 1982, William Gibson recebeu a encomenda de escrever um livro para uma série de ficção científica. Quando ele tinha escrito dois terços do que viria a ser o Neurmonancer, seu primeiro livro, William Gibson assistiu ao filme Blade Runner e ficou preocupado.

Gibson achou que seu livro ia ser um fracasso, porque todo mundo iria achar que ele copiou todo o visual e clima do filme de Ridley Scott, baseado em um livro de Philip K. Dick, outro grande autor de ficção científica.

Por causa disso, William Gibson reescreveu 12 vezes esses dois terços do livro e mesmo assim ainda achava que iria passar vergonha quando o livro fosse lançado.

Essa curiosidade me fez relembrar que as pessoas às vezes acham que os grandes autores escreveram suas obras de primeira e que eles nunca passaram por momentos de descrença em seu próprio trabalho.

Além disso, percebemos sempre que um autor precisa ter a determinação e o desapego necessário para poder reescrever, reescrever e reescrever. Esse processo é difícil, penoso e desgastante, mas fundamental.

No momento, estou no meio do processo de reescrever um livro e para mim sempre é muito complicado. Mas saber que William Gibson precisou reescrever 12 vezes o Neuromancer me dá um pouco mais de motivação para continuar trabalhando na minha história.

Anúncios

Sempre difícil, sempre

Hemingway já dizia: “The first draft of anything is shit”. Ou seja, a primeira versão de qualquer coisa é uma porcaria.

A frase de Hemingway me dá duas lições:

1. Não se importe com o que você escreveu. Reescreva, edite, corte e jogue fora. A segunda versão sempre será melhor.

2. Não pense demais para colocar as primeiras palavras no papel, elas não valem nada, ainda. Só passarão a ter valor depois que você voltar a elas e reescrevê-las.

Tenho que me lembrar sempre disso.

Mas não é fácil.

Somos sempre levados a nos apegar ao que produzimos. E, principalmente em produção de textos, o ato de registrar frases e pensamentos em uma folha de papel é tão difícil, que achamos que aquilo vale ouro, que não deve ser desperdiçado. Antes mesmo de começarmos já achamos que o que vai aparecer escrito naquele papel em branco precisa ser perfeito, assim, de imediato.

Mesmo tendo escrito livros inteiros, sempre que preciso começar um novo trabalho, por menor que seja, acabo caindo nessa armadilha. Então, tenho que lembrar de Hemingway e saber que aquele início não é nada, mas pode virar tudo. Só depende de trabalho duro.