insatisfação é uma coisa boa

Há alguns dias assisti a um vídeo de uma escritora onde ela comentava que tinha experimentado um sentimento de frustração quando terminou de escrever e publicar o seu livro. Ela tinha passado por um processo razoavelmente longo de escrita e, no final, no período de revisão e edição já não gostava mais tanto do resultado. E a principal justificativa é que ela mudou durante o processo.

Eu conheço bem esse sentimento, não apenas em relação à escrita. Já fui acusado de ser um eterno insatisfeito, como se isso fosse um grande mal.

Mas, refletindo sobre esse sentimento, não consigo vê-lo como um defeito. Na verdade, acredito que ele é efeito colateral de uma qualidade: a vontade de crescer.

A satisfação total só acontece quando a pessoa acredita que chegou no seu limite ou adquiriu todo o conhecimento que poderia. No caso da escrita, se o autor não tem um prazo a cumprir, acho muito difícil chegar a esse ponto. Estamos sempre estudando, mesmo que seja apenas lendo novos autores. Dessa forma, estamos em constante aprendizado.

Por isso, acho normal terminar algum trabalho ou texto e achar que poderia ser diferente e melhor. Quando eu olho alguma coisa que eu criei, já sou outra pessoa e já não gosto do mesmo jeito. E isso eu passei a considerar normal. Faz parte da profissão, tanto de redator como de escritor.

Porém, tem um detalhe muito importante: eu tento sempre reconhecer o meu esforço. Se eu pensasse que tudo que eu faço não é bom seria sempre desmotivador. Por outro lado, se eu encontrasse satisfação em tudo, ficaria sem um objetivo maior.

Portanto, vivo sempre nesse momento desafiador.

Apesar de sentir orgulho delas, sei que eu mudaria as coisas que escrevi ontem, porque nelas não encontro as coisas que eu sei hoje. E, por enquanto, gosto muito das coisas que estou escrevendo nesse momento, porque elas trazem tudo que eu sou hoje. Mas o que mais me anima e me motiva são as coisas que eu ainda vou escrever, afinal nelas é que me descobrirei um escritor melhor.

Como ter uma mente produtiva

Nos últimos tempos, ando obcecado por produtividade.

São tantas histórias que eu tenho vontade de escrever, mas sempre acabo tendo que escolher, porque o processo, muitas vezes demorado, me limita a produzir poucas histórias.

Mas então lembro dos vários escritores prolíficos que existiram e ainda existem por aí. Autores que conseguem produzir vários livros por ano, usando vários pseudônimos ou simplesmente não se importando com o que pensam sobre esse ritmo de produção. É que existe muita gente no mercado editorial que torce o nariz para autores que publicam demais, dizendo que não é bom para a carreira e que perdem em qualidade. Na verdade, o que eu acredito é que o processo não sai prejudicado, a diferença é que os autores prolíficos simplesmente não perdem tempo e produzem constantemente.

Se fizermos uma conta rápida e imaginar que um livro, em média, tem 70 mil palavras e uma pessoa é capaz de escrever tranquilamente 1000 palavras por dia (isso é bem tranquilo mesmo), pode-se produzir um livro a cada 70 dias. O que dá 5 livros em um ano.

(É claro que tem a fase de reescrita, edição e revisão, mas também devemos levar em consideração que um escritor pode ir além das 1000 palavras por dia.)

Analisando friamente o trabalho necessário, chegamos a conclusão que é possível produzir bem mais do que um livro por ano. E, produzindo mais, melhora-se o processo, já que quanto mais você escreve, melhor e mais rápido você fica.

Porém, a grande verdade é que o ato de escrever não é o problema, o difícil é se comprometer com um tempo para escrever.  O grande desafio é: como usar o tempo que tenho de sobra para escrever?

Portanto, eu estou agora em busca de uma rotina e um hábito de escrita para aumentar minha produtividade. Tenho testando diversos métodos e formas diferentes de encarar o trabalho.

O nosso cérebro é uma máquina poderosa, tanto para o bem, como para o mal. Basta observar que, se queremos arrumar desculpas para não fazer alguma coisa, pronto, temos milhares de justificativas. Nossos pensamentos arrumam todos os motivos e razões para não fazer nada. Portanto, podemos usar essa mesma capacidade do cérebro para produzir mais.

Descobri que não posso deixar meu cérebro achar que eu deveria estar fazendo outra coisa ao invés de escrever. Não posso deixar que ele pense que aquilo que eu pretendo fazer não precisa ser feito naquele momento e pode ser deixado para depois.

Se conseguimos criar desculpas, conseguimos criar motivação. E assim eu aprendi alguns truques para fazer minha mente ter disposição e não me sabotar.

Criar pequenas recompensas

Às vezes eu sinto vontade de fazer outra coisa ou simplesmente, parar e comer chocolate. Então eu penso que para merecer aquele descanso ou aquele chocolate, eu preciso escrever pelo menos 1000 palavras ou escrever por pelo menos uma hora. (Eu sei que parece meio infantil, mas lembre-se que fomos treinados dessa forma desde que nascemos, então faz sentido). Após eu escrever meu texto ou cumprir determinado tempo, eu recebo minha recompensa.

Criar intervalos

Eu divido o tempo entre trabalho e prazer. Além do intervalo funcionar como recompensa, temos outro truque que é a quebra da tarefa. Muitas vezes acreditamos que a tarefa será muito trabalhosa e já desistimos dela, apenas por vislumbrar um desafio muito grande que achamos que não iremos conseguir. Por exemplo: escrever por duas horas no dia. Começamos a achar que não vamos conseguir trabalhar por duas horas seguidas e seremos interrompidos, então nem vale a pena começar, etc, etc. Mas então, quando fracionamos esse tempo em 4 blocos de meia hora, com intervalos de lazer entre eles, fazemos tudo mais facilmente.

Pequenas doses, grandes mudanças

Para os momentos de maior grau de procrastinação, eu engano o meu cérebro com pequenas doses. Pense assim: “vou fazer apenas por cinco minutos”. E faça apenas por cinco minutos. Se você sentir vontade de parar depois do cinco minutos, pare. Mais tarde, faça apenas mais cinco minutos, novamente. Mas caso você sinta vontade de continuar, continue. Você vai perceber que, em muitos casos, o problema era começar. Uma vez que você já colocou seu corpo e sua mente naquele trabalho, você acaba embalando e não para (lei da inércia). Essa tática do “apenas 5 minutos” é uma grande forma de começar a criar hábito, que é o truque mais importante.

CRIE HÁBITOS

Hábito é o mais importante para a produtividade. Não tente apenas fazer uma vez, esperar uns dias, fazer de novo. Tente começar uma rotina diária. Mesmo que seja uma sessão de 5 minutos por dia, faça todos os dias, por pelo menos 3 semanas. Um hábito é criado após 21 dias de repetição. Então, não desista nesses primeiros dias. Eles são importantes para criar uma rotina. Você vai perceber que, depois de criada a rotina, fica mais fácil melhorá-la ou criar uma nova.

Neuromancer x Blade Runner – A determinação de William Gibson me motiva

Neuromancer_(Book)Blade_Runner_poster

Estou lendo a Trilogia Sprawl, de William Gibson, e escrevi meu último post sobre a leitura de Count Zero, o segundo livro da série.

Para escrever esse post, eu consultei algumas informações sobre o autor e sua obra. E uma informação me chamou a atenção.

Em 1982, William Gibson recebeu a encomenda de escrever um livro para uma série de ficção científica. Quando ele tinha escrito dois terços do que viria a ser o Neurmonancer, seu primeiro livro, William Gibson assistiu ao filme Blade Runner e ficou preocupado.

Gibson achou que seu livro ia ser um fracasso, porque todo mundo iria achar que ele copiou todo o visual e clima do filme de Ridley Scott, baseado em um livro de Philip K. Dick, outro grande autor de ficção científica.

Por causa disso, William Gibson reescreveu 12 vezes esses dois terços do livro e mesmo assim ainda achava que iria passar vergonha quando o livro fosse lançado.

Essa curiosidade me fez relembrar que as pessoas às vezes acham que os grandes autores escreveram suas obras de primeira e que eles nunca passaram por momentos de descrença em seu próprio trabalho.

Além disso, percebemos sempre que um autor precisa ter a determinação e o desapego necessário para poder reescrever, reescrever e reescrever. Esse processo é difícil, penoso e desgastante, mas fundamental.

No momento, estou no meio do processo de reescrever um livro e para mim sempre é muito complicado. Mas saber que William Gibson precisou reescrever 12 vezes o Neuromancer me dá um pouco mais de motivação para continuar trabalhando na minha história.

NaNoWriMo – A história da minha história

NaNo-2015-Winner-Badge-Large-Square

Hoje eu acabei de escrever minha história no NaNoWriMo 2015.

Como contei nos posts anteriores, fiz questão de começar com uma ideia que eu sabia muito pouco e me comprometi a escrever todos os dias. E, no final das contas, as duas coisas me ajudaram a aprender muito (como também já falei nos posts anteriores).

Agora que terminei posso contar um pouco de como foi a evolução do processo todo.

Eu comecei com uma premissa bem aberta e sem muitos detalhes. A única coisa que eu tinha era o que eu escrevi na sinopse do livro no meu perfil do Nano e vou resumir aqui:

 

“Um dia, Teresa desapareceu e deixou sua família sem saber o que aconteceu.

Não deixou nenhum bilhete. Nunca ligou, nem escreveu.

A família aprendeu a viver sem Teresa.

Seu pai acreditava que a filha tinha sido sequestrada. Sua mãe achava que ela tinha sido assassinada e a irmã mais velha achava que ela tinha simplesmente fugido de casa, com algum namorado ou homem mais velho, casado.

Quase dois anos depois, eram raros os momentos em que se falava em Teresa.

Até que um dia, o que a família de Teresa menos esperava aconteceu.

Um dia ela voltou.”

 

Eu comecei a escrever com base nesses três personagens principais. Escolhi escrever em terceira pessoa, porque eu não queria apenas um lado da história. Achava que o interessante seria ver como cada um lidou com o fato e como iria agir depois do retorno de Teresa.

Tentei não pensar muito no que aconteceu com Teresa. Fui apenas criando situações para reforçar o sentimento de cada um dos membros da família.

Por causa disso, algumas coisas foram saindo diferente da própria sinopse.

A irmã deixou de ser mais velha e acabou sendo irmã gêmea de Teresa. Achei que isso reforçava ainda mais a questão psicológica da trama. Os pais tinham duas filhas e acabaram ficando apenas com uma por um tempo. Como isso afetava eles? E como afetava a própria irmã que ficou sozinha? Isso tudo me parecia mais interessante.

Como vocês podem ver, eu fico sempre muito aberto a mudanças que a história pode sofrer e não me importo que tenha que alterar praticamente tudo que escrevi antes.

Quando eu já estava com mais de 25 mil palavras escritas, comecei a achar que a história em si estava perdendo força. Desde o início eu não tinha certeza se eu queria descobrir o que aconteceu com Teresa, mas nesse ponto comecei a sentir essa necessidade. O problema é que não tinha ainda escrito muita coisa sobre esse lado da história.

Foi então que, mais uma vez, abri mão de certos detalhes iniciais e criei outros personagens e outras situações que mostravam melhor o que deveria ter acontecido com Teresa.

Quando cheguei a 35 mil palavras, ainda não estava bem certo do plot todo, mas continuei escrevendo e ajustando os detalhes.

Eu escrevia todos os dias, logo nas primeiras horas do dia. A noite, quando ia deitar, voltava a pensar na história e no que iria escrever no dia seguinte, aproveitando para pensar um pouco nos problemas dos personagens e na trama que precisava resolver.

Na noite em que que eu estava com mais ou menos 35 mil palavras, eu consegui resolver todos os pontos principais da história e organizar todas as cenas que precisava para terminar.

No dia seguinte, comecei criando todas as cenas que precisava, anotando uma frase que dizia o ponto chave de cada cena. Então, seria apenas uma questão de tempo para escrever as palavras que faltavam.

Nesse ponto, surgiu uma vontade enorme de apenas fazer um resumo de cada cena e parar, afinal eu já sabia que teria que reescrever a história toda para incluir personagens e cenas que foram criados mais tarde. Mas como eu queria ser um dos vencedores do NaNoWriMo, me forcei a continuar escrevendo do mesmo jeito que vinha fazendo.

Então aprendi (ou relembrei) a lição mais importante do NaNo: só dá para saber se a história vai funcionar quando ela está escrita.

Mesmo tendo a cenas finais todas definidas na minha cabeça, quando fui escrever ainda tive que mudar alguns detalhes da história que não faziam sentido e percebi que tinha cenas que não precisavam e outras que estavam faltando.

E terminei o NaNo relembrando da regra máxima da escrita.

Só tem um jeito de escrever um livro: escrevendo.

 

Na metade do NaNoWriMo, eu vi a luz (no fim do túnel)

luz-fim-do-tunel

Ao chegar no 15º dia do NaNo, aprendi que essa maratona toda tem me ajudado a encontrar meu próprio processo.

Como eu estou conseguindo manter meu objetivo pessoal de escrever todos os dias, o número de palavras não é tanto a questão principal. O mais importante continua sendo a história em si.

(Aqui vale um desabafo: já estamos na metade do NaNoWriMo e vejo pessoas ainda achando que isso é uma competição para saber quem consegue escrever 50 mil palavras.)

O grande aprendizado para mim nesses primeiros 15 dias foi: continue escrevendo que a história irá acontecer.

Em certos momentos, principalmente no começo da segunda semana, eu comecei a ter dúvidas sobre a minha história. Comecei a achar que eu nunca iria conseguir resolver o plot, nem com 100 mil palavras.

Meu método consiste em ir escrevendo como se estivesse abrindo caminhos diferentes e possíveis. Porém, muitas vezes, esses caminhos parecem que nunca vão se encontrar em algum lugar. São possibilidades que eu vou criando para os personagens, mas que, em determinado momento, acho que estão indo para lugares muito distantes.

Mesmo assim, continuei escrevendo.

3761386

Certos dias eu cheguei a duvidar que apenas seguir escrevendo daria certo. Senti vontade de já reler e reestruturar tudo. Mas então percebi que o lado bom de escrever todos os dias é que a história e os personagens não saem da minha cabeça. E no subconsciente as coisas vão sendo trabalhadas também. Comecei a descrever o passado dos meus personagens, criei fatos novos e até novos personagens, que acabaram sendo muito importantes para resolver a trama toda.

Outra coisa importante: eu sabia que esses novos detalhes estavam alterando muita coisa do que eu escrevi no começo, mas não voltei para consertar. Fui colocando anotações ao lado obre o que aquela cena impactava na fase inicial, para me ajudar no processo de reescrita.

Fui fazendo anotações mais ou menos assim:

– Essa cena precisa acontecer antes na história, logo no começo do livro.

– Esse lugar passou a ser importante para a história, tenho que usar ele em outras cenas.

– Esse personagem precisa ser introduzido antes (principalmente um personagem importante que só passou a existir quando eu já tinha escrito metade das 50 mil palavras).

Mas o mais importante foi que esse processo me relembrou que não posso me apegar ao início.

Se eu tivesse ficado preocupado demais com o que eu escrevi no começo, achando que estava ruim, talvez eu desistisse, porque aquilo realmente não estava fazendo sentido (ainda).

Por outro lado, se eu tivesse tentando escrever tudo perfeito no início, voltando para revisar e escrever melhor cada parágrafo, talvez eu não tivesse coragem de mudar completamente de ideia e eu nunca teria conseguido resolver o plot.

Ainda tenho um longo caminho até o final, mas agora eu já sei onde os caminhos vão se encontrar lá na frente. Ainda posso mudar muitas coisas, mas estou bem mais satisfeito com tudo.

Estrutura em 3 atos

3atos

Falando sobre planejar, ou não, a história antes de escrever (post anterior), fiquei pensando sobre a questão de estrutura. Porque no fundo é a estrutura que acaba sendo melhor trabalhada quando se planeja ou quando se reescreve.

Digo isso porque existem contadores de histórias natos. Aquelas pessoas que quando já pensam em uma história, já pensam no conflito do personagem, no dilema, na busca por superação, por uma queda no meio do caminho, na recuperação e na grande transformação no final.

Mas muitos de nós, simples mortais, só conseguimos pensar nisso com certa disciplina e planejamento. E é aí que entra a questão do outline.

Se eu escrevo um livro inteiro sem planejar, quando chego no final, tenho que voltar e ver se a estrutura está realmente interessante. Se tem os pontos principais que farão a história funcionar e as pessoas gostarem da minha história.

Fazendo um outline prévio, eu posso pensar em tudo isso antes de começar a escrever todas as cenas. Inclusive, posso incluir cenas que irão contar melhor determinada parte da história ou completar a estrutura em 3 ATOS da minha história.

A estrutura de 3 ATOS é basicamente representado por um diagrama em forma de W.

1º ATO:

Apresenta os personagens principais e o ambiente em que estão inseridos.

Geralmente o protagonista tem uma falsa crença sobre algo e logo é envolvido em um incidente que irá mudar sua vida e impulsionar a história. Acontece um fato que irá fazer o protagonista chegar no primeiro ponto sem volta.

Nesse ponto, ele é obrigado a tomar a uma atitude para resolver o conflito.

Sendo assim, devemos procurar iniciar uma história nesse fato, que faz tudo ser diferente. Um fato que mudou a vida do protagonista e o deixou com a missão de se transformar e solucionar o problema.

 

2º ATO:

Esse é o ato mais longo e onde a história se desenvolve.

É aqui que o protagonista vai agir. Ele vai aprender coisas novas sobre o seu problema e achar que pode conseguir superá–lo, mas na verdade ele vai descobrir que deixou o problema ainda pior.

É no segundo ato que aquele protagonista de um romance decide fazer as pazes com a sua amada e descobre que ela já encontrou outro ou descobriu um segredo dele ainda pior. Ou é nesse ato que o protagonista de um thriller consegue o dinheiro que precisava para ajudar o seu pai, mas descobre que a dívida ficou ainda maior. Ou ele recupera o emprego perdido, mas descobre que está sendo usado pelo seu chefe para um golpe que vai colocar ele na cadeia.

Deu para entender a lógica, não é? O protagonista tenta fazer a coisa certa e deixa as coisas piores. Até que ele chega no segundo ponto sem volta. Que é quando ele descobre o que realmente precisa ser feito, que é tudo ou nada. Descobre que precisa fazer o sacrifício final.

Na realidade, ele descobre que precisa se transformar para vencer todos os conflitos.

 

3º ATO:

O protagonista, já transformado, toma a atitude que precisava para enfrentar tudo e todos.

No final a transformação é evidente e o clímax é a solução do conflito.

 

Se você reparar, a maioria das histórias, seja em filme ou em livros, segue essa estrutura, com algumas variações de acordo com gênero e narrativa. Algumas vezes mais evidentes e outras mais sutis. Mas, quase sempre, a fórmula é essa. E, se planejar ou reescrever, quase sempre dá certo.

Livro em primeira pessoa: uma questão de ponto de vista

livros

Como comentei no post anterior, não desisti do livro que estou escrevendo e hoje voltei a trabalhar nele. Mas me lembrei que o primeiro motivo que me fez pensar em desistir dele foi a escolha do ponto de vista.

Na primeira versão, eu escrevi a história inteira em primeira pessoa. E a maioria das coisas que eu escrevo e grande parte dos livros que eu leio são em terceira pessoa.

Mas alguns dos meus livros favoritos são em primeira pessoa. Entre eles Psicopata Americano e Monstros Invisíveis. Então eu resolvi fazer uma experiência de também escrever tem primeira pessoa.

O livro que eu estou escrevendo não precisa, obrigatoriamente, ser escrito em primeira pessoa, foi apenas uma questão de escolha. E já quando eu comecei, não tinha tanta certeza que seria a melhor forma de contar a história.

Em literatura, existem diferentes pontos de vista de narração e a escolha faz toda diferença.

 

Os três tipos mais comuns de pontos de vista são:

– Primeira pessoa: um personagem que faz parte da ação está contando a história, geralmente o protagonista. Dessa forma, só sabemos o que o personagem sabe e é dele a percepção que temos de tudo que acontece na história. Esse tipo de ponto de vista é muito usado em livros policiais e de detetives, para acompanharmos a investigação e descobrirmos junto com o personagem o desfecho do caso. Mas também é usado em casos como o Clube da Luta, também do Chuck Palahniuk, onde realmente precisamos ter apenas a visão de um personagem, afinal, se tivéssemos a percepção dos outros personagens, a história não poderia ser contada.

– Terceira pessoa simples: um narrador que não participa da ação conta a história acompanhando um personagem, mas conta apenas o que esse personagem vivencia. É como se tivéssemos uma câmera acompanhando um personagem da história. Não ficamos indo para todos os lugares e não sabemos o que acontece em situações onde esse personagem não está presente. (Esse é o ponto de vista do meu livro Outra Pessoa, onde acompanhamos Olavo e só sabemos o que ele sabe)

– Terceira pessoa múltipla ou onisciente: o narrador não participa da ação e acompanha vários personagens, variando ao longo das cenas. Nesse caso, a “câmera” acompanha qualquer personagem, em qualquer ação e em qualquer cenário que seja necessário para contar a história.

 

Precisamos avaliar o que é o melhor para contar a história.

No meu caso específico, desse livro em particular, apenas descobri que eu não gostei do resultado final. Então, ao invés de abandona-lo, resolvi reescrever em terceira pessoa simples. Ainda assim, enquanto escrevia a terceira versão, fiquei na dúvida se a terceira pessoa múltipla não teria sido uma melhor escolha para contar a história. (Enquanto não terminar, vou sempre ter várias dúvidas)

Mas, agora na quarta versão, finalmente fiz as pazes com o meu livro. Consegui resolver alguns problemas de narrativa, inclui algumas cenas, criei um ou dois personagens novos e, assim, defini que ele será em terceira pessoa simples.

E continuo sem planos de desistir dele.