Mês: agosto 2015

Se, ao invés de escrever um livro, eu decidisse construir uma casa

Se, ao invés de escrever um livro, eu decidisse construir uma casa, eu iria perder horas, talvez dias, assentando o primeiro tijolo.

Ele teria que ser perfeito, no lugar certo, da cor certa, e colocado com a quantidade certa de cimento.

Ele teria que ser um tijolo que as pessoas olhassem e já enxergasse toda a qualidade da casa que seria construída a partir dele.

Eu colocaria o tijolo no lugar e ficaria contemplando, tentando me convencer de que aquele é o melhor tijolo para aquela casa, mesmo sem saber direito como a casa ficará quando estiver pronta.

Depois de um tempo, eu chegaria a conclusão de que aquele não era mesmo o tijolo certo.

Mais do que isso, eu começaria a ter certeza de que não sou capaz de escolher o primeiro tijolo e, muito menos, colocá-lo no lugar certo, o que naturalmente me levaria a conclusão de que eu não sou capaz de construir nenhuma casa e estou apenas perdendo meu tempo com aquele trabalho. Afinal, se não consigo nem colocar um tijolo direito, como eu poderia construir uma casa inteira.

Depois de um tempo, eu abandonaria meu tijolo e tentaria esquecer que um dia achei que ele poderia começar a construção de uma casa.

Tempos depois, quando a vontade de construir uma nova casa me incomodasse novamente, eu começaria com um novo tijolo e pensaria que, dessa vez, conseguiria ver a casa pronta no final.

Com o primeiro tijolo colocado, eu iria levantar a primeira parede inteira antes de partir para segunda. Iria rebocá-la, pintá-la e até já penduraria os quadros. Só depois disso é que eu pensaria em levantar a segunda parede.

Claro, que, mesmo com uma parede totalmente pronta e acabada, eu iria sempre ficar na dúvida se sou capaz de construir a casa toda e, provavelmente, abandonaria a obra assim, inacabada.

Depois de persistir e continuar construindo as outras paredes, eu ficaria sempre com pena de mexer naquela primeira, já que ela estava pronta e tinha até quadros pendurados nela.

Então, quando eu descobrisse que a primeira parede não combina em nada com as outras que eu construí em seguida, ao invés de reformá-la, eu desistiria de construir a casa.

Mas, acima de tudo, se, ao invés de escrever um livro, eu decidisse construir uma casa, eu iria perder muito tempo pensando em construir a casa, ao invés de começar a construí-la.

E, de tanto pensar, eu desistiria de construir a minha casa, colocando na minha cabeça que já existem tantas outras casas prontas no mundo, bem melhores que aquela que eu pensei em construir.